Sexta, 11 Dezembro 2015 05:56

Estudante com Síndrome de Down defende Trabalho de Conclusão de Curso

Com a fala mais emblemática da história do teatro, o estudante da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Gabriel Almeida Nogueira também fez história. Apresentando um trecho de Hamlet, de Shakespeare, como parte da defesa de seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) em Teatro, ele tornou-se o primeiro aluno com Síndrome de Down a concluir um curso de graduação na UFPel.

gabriel_doisA apresentação, que ocorreu na manhã desta quarta-feira (9), reuniu familiares, amigos, professores e colegas que prestigiaram o acadêmico. O trabalho, Oficina de Teatro Down: Todos Somos Capazes de Fazer Tudo, Gabriel arrancou elogios da banca avaliadora.

gabriel_umUm vídeo mostrando seu trabalho junto ao grupo do projeto Novos Caminhos, da Faculdade de Educação – onde fez seu estágio e sua pesquisa -, abriu as apresentações. Gabriel atuou a partir do projeto de extensão Fronteiras da Diversidade, do Núcleo de Artes, Linguagens e Subjetividade (NALS), do qual é bolsista.

gabriel_cincoDepois de apresentar Hamlet, Gabriel chamou os integrantes do Novos Caminhos para participar de uma atividade teatral e, na sequência, apresentou seu estudo aos presentes. Para ele, as brincadeiras e jogos teatrais que promoveu aos seus alunos proporcionaram que, ao longo do tempo, eles fossem ficando mais participativos e comunicativos. “Aprendi bastante com essa experiência como professor com Síndrome de Down para alunos que também têm Síndrome de Down”, relatou.

gabriel_quatroPara a orientadora do trabalho, professora Denise Bussoletti, a conquista de Gabriel é um marco para a Universidade. Segundo ela, professores como Gabriel evidenciam as necessidades de pensar nos métodos da educação e nos diferentes códigos e maneiras de ensinar.  “Esse trabalho é um começo. É absolutamente inovador, não só na Universidade, mas além”, observou.

Participante da banca, a professora Fabiane Tejada falou sobre a trajetória de Gabriel, que conhece desde criança. “Ele tem características fundamentais ao professor de teatro: sensibilidade, respeito, disciplina e capacidade de conviver em grupo. Será um ótimo professor”, avaliou.

Vagner Vargas, ator e doutorando em Educação na UFPel, orientou a apresentação teatral de Gabriel e ressaltou o empenho que, em cinco ensaios, possibilitou ao estudante mostrar no palco um fragmento que muitos atores experientes não têm coragem de apresentar. “Há aqui o olhar de uma pessoa que vive um processo, dando aula para outras pessoas na mesma condição. É um exemplo único e inovador que até o próprio conhecimento acadêmico não conhece”, pontuou.

Também participando da banca, o professor da Escola Superior de Educação Física, Alexandre Marques, salientou que a maneira como a sociedade vê pessoas com Síndrome de Down tem evoluído ao longo dos anos – passando da exclusão e do sentimento de pena a um potencial a ser desenvolvido. “As pessoas têm que buscar sua identidade, independentemente do tipo de deficiência que possuem. Precisamos acreditar nelas e pessoas como o Gabriel têm mostrado isso”, disse, sugerindo breves ajustes no texto para que a pesquisa do estudante possa ficar para a posteridade como a melhor possível.

Dentre os destaques da banca, estavam a frequência e a assiduidade do estudante nas aulas e atividades variadas, seu engajamento e comprometimento.

Nota dez
O estudante conquistou a nota dez e agradeceu a todos os que vieram e contribuíram para sua trajetória acadêmica, sendo aplaudido várias vezes. “Estou emocionado e feliz. Esse trabalho vai ajudar outras pessoas”, contou.

A mãe de Gabriel, Joseane Almeida, lembrou das escolhas e conquistas do filho. “Ele sempre nos surpreende. Superando suas próprias limitações, querendo seguir adiante e ter uma vida ativa. Isso é mérito dele e das pessoas que acreditaram nele. A Universidade deu essa grande oportunidade, não estabeleceu limites e ‘deu corda’ para que ele seguisse em frente”, disse. O momento é significativo para a família: serão duas formaturas. Além de Gabriel, a irmã, Isabela, é formanda do curso de Jornalismo e defendeu seu TCC no dia anterior ao de Gabriel.

Ser ou não ser? Eis a questão. Mas não restam dúvidas de que Gabriel é – um precursor, um exemplo e um vencedor.

Fonte: Notícia do site da Universidade Federal de Pelotas

Link abaixo:

http://ccs2.ufpel.edu.br/wp/2015/12/09/estudante-com-sindrome-de-down-defende-trabalho-de-conclusao-de-curso/

 

© Copyright 2016. REDE EMPRESARIAL DE INCLUSÃO SOCIAL  - Todos os direitos reservados. Powered by:LDlogo futuro